segunda-feira, 21 de março de 2016

PINTANDO AMARELINHAS

PINTANDO AMARELINHAS
A professora de Educação Física Fernanda propôs atividades em turno inverso, onde os alunos realizariam atividades de pinturas na quadra em frente a escola para pintar os quadros de amarelinha.   No dia proposto vieram os alunos: Nícolas, Alisson Magnus, Ariel e Jeferson.  O trabalho rendeu, fizeram a limpeza da pedra e pintura de fundo. No próximo dia a ser combinado pela professora os alunos estarão desenhando os quadros e pintando os números nas amarelinhas. A amarelinha Tem como base um caminho dividido em casas numeradas e riscado no chão com giz. Após jogar uma pedrinha em uma casa - em que não poderá pisar -, a criança vai pulando com um pé só até o fim do trajeto. Ao chegar, deve retornar, apanhar a pedrinha e recomeçar, dessa vez, atirando a pedra na segunda casa e depois nas seguintes até passar por todas. O participante que errar o alvo ou perder o equilíbrio passa a vez para outro. Existem inúmeras variações de denominações e formas de brincar pelo mundo. Macaca, avião, sapata, tô-tá, xadrez, boneca, casco e queimei são alguns dos nomes que a brincadeira recebe no Brasil. O trajeto pode ter formas diversas. Origem Gravuras mostram crianças brincando de amarelinha nos pavilhões de mármore nas vias da Roma antiga. Na época, o percurso carregava o simbolismo da passagem do homem pela vida. Por isso, em uma das pontas se escrevia céu e, na outra, inferno.  Por que propor Para o grupo vivenciar diferentes formas de equilíbrio.  Como enriquecer o brincar  ■ Ajude os menores a desenhar a amarelinha. ■ Planeje e apresente diferentes trajetos e jeitos de percorrê-los. ■ Peça que os pais ensinem os tipos de amarelinha comuns de sua infância. ■ Adapte as regras para os menores pularem com os dois pés para facilitar.  Os erros mais comuns  Ter um traçado fixo no chão do pátio. Desenhar os variados percursos faz parte da brincadeira. 
 Exigir que a turma siga as regras à risca e pule sem tocar as linhas do trajeto. Para os menores, já é um grande desafio coordenar os movimentos para saltar.
 













Solos e rochas da nossa região – I Mostra de Trabalhos da escola Afonso

          Recebemos em nossa escola no dia 04 de dezembro/12 a geóloga Flávia Fernanda Lima, representante do consórcio Geoparque, a convi...